Ela

|

Quando ele se foi, deixou como lembrança as lágrimas que escorriam pelo rosto vermelho e quente dela. Eram tantas que a visão já estava turva e a boca sentia o gosto salgado. Ela sequer tinha forças para levantar as mãos e enxugar a face com as mangas do casaco que eram compridas demais. Ela ficou lá, parada, enquanto ele lhe dava as costas e ia se distanciando sem pressa nenhuma, afinal, ele já tinha feito o que devia fazer. E ele estava cada vez mais e mais longe, até que sumiu entre as pessoas. E ela ainda não conseguia se mexer. O aperto da garganta não cessava. O choro silencioso dela não era ouvido por ninguém. E se fosse que diferença faria?
E ela sentiu-se vazia. Não sabia viver assim, sozinha. Tudo o que lhe enchia a alma de alegria havia desaparecido e sido substituído por todo aquele desespero avassalador em um tempo mínimo. Todas as suas esperanças, promessas, planos... Sumiram. E o vazio no peito parecia aumentar para todo o seu corpo rápida e cuidadosamente, preenchendo-a por inteiro sem piedade nenhuma.
Ela subitamente correu. Correu como nunca antes na vida. Correu sem direção, sem sentido. Não sabia para onde ir. Não tinha para onde ir. Correu até não agüentar mais. Correu até não saber aonde estava. E parou. Caiu de joelhos e se deixou mergulhar naquilo tudo que a corroía. A verdade é que ela não sabia mais viver. Ela não existia sem ele.

10 pessoas também deram sua opinião:

Pitchulinha disse...

emocionei, pois eu também não exito sem ele.

Six "Liss" disse...

Imaginei isso me acontecendo comigo, que horror... Ninguém quer perder seu amor. Ele me pareceu cruel!

Desirée disse...

tadinhaaaaaaa!
eu pensei ja ter sentido isso um dia, não desejo pra ngm!

mim mesmo disse...

Mals sabiam as leitoras desse texto que ela estava coom uma reação alérgica fortissima e ficou vermelha com os olhos lacrimejando enquanto ele correu para pega r um remédio.Ela no entanto viu que não iria viver sem ele chegar com o remédio e correu para pedir ajuda pra alguém.Dãã.Tão obvio gent.Tá nas entrelinhas hahahaha
agora falando sério eu não consigo me imaginar atribuindo minha vida e felicidade completamente a uma pessoa sjea ela a garota que for.
Bem, mas é só uma questão de ponto de vista
Bjs Li

Rodrigo Band disse...

Esses textos da Li realmente me assustam às vezes ._. No bom sentido, eles são profundos e emotivos que até me abalam um pouco, resumindo.
Só tenho que discordar um pouco do ponto de vista do Victor, ao dizer que não consegue atribuir a felicidade completamente a uma pessoa, porque eu acho que se é A pessoa, seria como uma droga, viciante.

Juh S. disse...

essas horas eu vejo que eu não sou a defeituosa por quando amar nao me imaginar sem ele, e projetar minha completude nele.

Porque só os apaixonados entendem.

huriama disse...

Acontece. Não simplesmente. É um turbilhão que atravessa o vácuo, sem som, salvo os naturais, como o soluço; sentimentos densos não necessariamente vem acompanhados de explosões. Trata-se de uma "implosão sentimental".

Complicado? Uma guerra sem armas, sem destruição. Só... A dor. Quem ataca quem?

Nem importa. Dói. Boa exposição.

[Y]

Luana Andrade disse...

Oi Li,
A partir do instante que nosso âmago vazio se invade de plenitude por uma presença, perder este estado de graça é letal, doentio... até sequer indeterminável! Porque nossos olhos ficam embotados de afeto. Apesar de se dolorosa, ótima descrição. Eu pude sentir a calidez destas lágrimas dela exauridas pela indiferença cortante dele quanto a isto, ou talvez omissão de sua própria dor por este gesto de "ir". Quaisquer são suscetíveis, a dor é una.
Beijinhos.
Repliquei seu comentário no Simplesmente Respire. *-*

Carolina Hermanas disse...

Olá,quanto tempo,saudades daqui e de suas doces palavras *_*.
AAAAH menina, eu acho tão lindo a forma como as pessoas entregam-se, mas ao mesmo tempo tão incerto, pois um dia tudo isso pode acabar e como sobreviver depois?!.Hm,exatamente como a garota do texto :)
Mas como não se entregar ao tão sonhado amor né? ~

-

Beeijos carinhosos :)

Talitha disse...

Lindo texto.
Bem emocionante, pois é~em alguns momentos não como viver sem ele.


Kiss...